Words are spaces between us

A alma está para lá das palavras, encontra-se escondida nas vírgulas que separam os sentimentos latentes nas frases ditas inconscientemente.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Tempo para milagres



Talvez hoje seja tempo para milagres, para tornar possíveis todas as fantasias que criamos em nossas mentes, os meros sonhos que contemplam o nosso ser, que nos fazem ser aquilo que somos hoje e agora. Provavelmente este dia é aquele em que o impossivel se torna provável e o nunca o talvez.
Há muito que ignoro tudo aquilo que anseio, o que me faz acordar e adormecer sempre que penso naquilo que vivi e assisti como espectadora da minha própria existência, no dia em que adoptei como reflexão o senso comum do Homem e todos os dogmas que desde sempre rejeitei e expulsei da minha vida.
Nada me impede de voar, de procurar o meu horizonte ainda por descobrir, a razão do meu destino e da minha procura por aquilo que sou e quero ser. Mas as portas encontram-se fechadas, as chaves foram lançadas ao vento, fugiram por entre meus dedos, por entre as minhas mãos presas a meu peito.
Até que apareces sob a forma da sombra de mim mesma, passas desprecebido e quase não te descubro. O teu olhar procura-me por entre as paredes do meu mundo, encontram-me perdida nas escadas do destino, sem saber como seguir em frente, questionando tudo o que existe, até mesmo a minha própria existência. O teu suspiro soa em meu ouvido, sinto a tua presença junto à porta que me dará a saída, e a porta és tu, o meu guia para o novo mundo que aguarda por mim.
Abraço-te e espero que o amanhã não chegue, que o tempo não passe, que o hoje permaneça e se torne eterno, nosso. Olho em teus olhos e vejo o reflexo de mim mesma, contemplo a minha alma a falar fortemente, gritando por liberdade. Traço em teu peito o meu nome, marco a minha vida na tua, talvez estejas condenado a me pertencer, a seres o meu chão na minha queda e o meu tecto na minha subida, ou possivelmente o meu coração, aquele que te pertence desde o primeiro e último momento, quando nossos olhos se encontraram e se reconheceram.
Foste tu quem me mostrou quem sou realmente, que me deu conhecer o que pensei já saber, que me fizeste ver que por vezes os olhares falam mais do que palavras e que os sentimentos podem permanecer, mesmo que o tempo escasseie. Nada do que fui faz parte de mim hoje, porque agora sei quem realmente sou.

5 comentários:

  1. bem amiga desculpa la tar te a chatear oura vez..mas este texto deu me para mandar te outro link ..que por acaso é uma pergunta...
    acho que vais gostar

    http://zionpavillion.blogspot.com/2008/06/se.html

    ResponderEliminar

espírito crítico